Essência dos Astros

O impulso da tua verdadeira essência

Onde é que tens o Sol no teu mapa astrológico ou por outras palavras em formato “cliché”, qual é o teu signo solar?

O Sol representa a Luz, a Autoconsciência e a forma como irradiamos o nosso “Self”. Onde é que eu brilho e de que forma posso “abrilhantar” os outros? De que forma potencializo a minha criatividade para oferecê-la ao Universo? O sol revela a energia que nos individualiza, o nosso Centro, Poder Pessoal e Potencial Criativo. No fundo, o Sol ilumina o tema principal do nosso propósito de vida.

O Sol é o amor que podemos irradiar. Para além do signo onde tens o Sol, ele encontra-se posicionado em determinada área de vida especifica que nós apelidamos de casas astrológicas (da casa 1 à casa 12). Há todo um cocktail de aspetos no mapa astrológico, incluindo os aspetos formados ao Sol que determinam várias características da tua personalidade e que promovem a forma como lidas com as energias presentes no teu mapa. Embora a influência do Sol seja importante, o Ascendente, a Lua e os restantes planetas expressos na mandala astrológica são igualmente fundamentais na análise de um determinado mapa astrológico.

No entanto é necessário referir que nem sempre estamos a honrar o nosso Sol. A energia ancorada está presente para o tema de vida daquele Ser, mas existem outros fatores de comportamento, diluídos noutros aspetos do mapa que promovem um Sol muitas vezes escondido.

A nossa missão de vida é exatamente embarcarmos na viagem da nossa existência em busca de encontrarmos o nosso Sol. Irradiarmos e vibrarmos exatamente por essa Luz que nos define. Percebermos sobretudo que viemos aprender a brilhar em primeiro lugar “para nós”, de dentro para fora e não da busca do reconhecimento de fora para dentro.

Sandra Sousa

A tua melhor versão com a Essência dos Astros

Bem vind@s a este “meu mundo”.

Sempre fui uma curiosa no mundo do oculto ou daquele mundo “invisível” que muitos têm receio de “ver”. Os mergulhos constantes à minha história de vida possibilitaram-me partir em busca do Autoconhecimento e Autoajuda e permitiram-me entender que o facto de não nos validarmos interiormente, de não nos compreendermos e de não termos clareza de quem verdadeiramente somos são o verdadeiro motivo de problemas que pensamos que são causas externas e não internas, como as doenças físicas, emocionais e psicológicas. E aquilo que pensamos que vem de fora são apenas o reflexo da desconexão interior de nós próprios. E é nesse cenário que vivemos bloqueados, perdidos porque não conseguimos fazer escolhas mais assertivas e afastamo-nos assim da nossa verdadeira essência, alinhada com o nosso verdadeiro propósito de vida, cujo “pano de fundo” é o Amor, a Felicidade, a Alegria e a Abundância, energias essas disponíveis para todos. Foi através deste entendimento e desta compreensão que passei a resgatar a Astrologia como o meu propósito de vida, como uma ferramenta profunda de Autoconhecimento e Desenvolvimento Humano. 

Fazendo uma pequena resenha histórica, a Astrologia é uma linguagem simbólica com mais de 5000 anos de existência, presente em muitas civilizações e transversal a várias outras ciências, como a filosofia, mitologia, arte etc. Sabemos que a Astrologia nem sempre foi usada para o entendimento individual de cada Ser, tal como se apresenta hoje. Era utilizada pelos povos antigos numa perspetiva coletiva e em que cada Ser humano era visto como pertencente ao coletivo e compreendida como um TODO. Uma técnica milenar fundamentada no paradigma holístico de que todas as coisas existentes no Universo estão inter-relacionadas. 

Na perspetiva moderna da Astrologia, entende-se que, se todas as coisas estão conectadas entre si, a posição dos planetas num determinado momento de nascimento falará sobre essa vida, revelando o seu propósito, os seus talentos e as suas motivações.

Nesse sentido, o mapa astrológico (ferramenta utilizada pela Astrologia) é como se fosse um GPS da vida que vamos percorrer. Quando nascemos, os planetas estavam numa determinada posição e essa expressão é transcrita numa mandala contendo os 12 signos do zodíaco, as casas (áreas de vida) e os aspetos igualmente configurados no mapa. É como se fosse um caminho pelo qual a pessoa percorrerá durante a vida. Um convite do Universo para que determinada pessoa faça os seus processos com os constrangimentos, o potencial, os bloqueios e os seus talentos de acordo com a sua personalidade e a forma como se expressa nas diferentes áreas de vida: Amor, Família, Trabalho, etc. O mapa também desvenda as tendências em termos de futuro, possibilitando a oportunidade de ultrapassar desafios e abrindo caminho para revelar o potencial e talento de alguém e para que cumpra o projeto de vida manifestado na mandala. O livre arbítrio é sempre nosso. As energias estão lá, muitas vezes para trabalhá-las, aprendendo a desbloqueá-las para nos tornarmos livres, prósperos e felizes. 

O Universo faz o convite expressando-se através da energia dos planetas, dos signos e aspetos posicionados no mapa de determinada pessoa e a compreensão desse mapa permite-nos mergulhar profundamente na nossa história, auxiliando-nos nos nossos bloqueios, iluminado as áreas da nossa vida mais escuras, ensinando-nos a não repetir padrões e assim seguir o nosso caminho com mais clareza, potenciando os nossos talentos e a nossa Luz que devem ser oferecidos ao TODO, que é para isso que viemos a este planeta azul lindíssimo.

A Astrologia é muito mais que a crença limitadora de previsões que aparecem nas revistas “cor-de-rosa” e nos horóscopos dos jornais e em que a enfâse redutora no signo solar é um verdadeiro “rombo” à essência da Astrologia. Lamentavelmente é banalizada também à luz da vidência e superstição, que não corresponde de todo ao verdadeiro legado milenar desta técnica poderosíssima em Desenvolvimento Pessoal. 

Para mim vai ser um privilégio desmistificarmos nos próximos artigos a verdadeira essência da Astrologia.

Até breve!

Sandra Sousa

Scroll to Top